BLOG Ocupacional

Categorias

Filtrar posts por data

Aumento da solidão na pandemia

17 de junho de 2021

Efeitos do isolamento social tem provocado efeitos na saúde mental das pessoas de todas as faixas etárias.

Em 2017, o Reino Unido nomeou pela primeira vez uma ministra da Solidão, responsável por combater o que a então primeira ministra considerava “a triste realidade da vida moderna”. Na época, mais de nove milhões de pessoas diziam viver permanente ou frequentemente sozinhas, segundo a Cruz Vermelha britânica – uma epidemia oculta que afeta 15% da população, em todas as fases da vida. O Japão também tomou atitude semelhante para lidar com os problemas do isolamento social. Mas se engana quem pensa que esse é um problema exclusivo de países desenvolvidos.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, terceira maior empresa de pesquisa e inteligência de mercado do mundo, mostrou que o Brasil é o local em que as pessoas se sentem mais solitárias. Cerca de 50% das pessoas entrevistadas disseram se sentir sozinhas “muitas vezes”, “frequentemente” ou “sempre” – à frente dos turcos (46%) e sauditas (43%). Holandeses são os que menos sentem a solidão (15%), seguidos pelos japoneses (16%) e poloneses (23%).

Mas a situação fica ainda pior quando se analisa o cenário da pandemia. Segundo o mesmo estudo, 52% dos participantes disseram que o sentimento de solidão havia crescido nos últimos seis meses. “O brasileiro sofreu demais na pandemia. Os números assustadores de contágio e de mortes, um dos piores índices do mundo, e o longo período de quarentena, ajudam a explicar esse sentimento”, explica Marcos Calliari, presidente da Ipsos do Brasil em entrevista para a BBC News Brasil.

A psiquiatra Gilmara Bueno defende que temos uma necessidade de pertencimento, gerada pela evolução da espécie. Sentimento crônico de solidão, diminuição da autoestima, depressão, ansiedade e até mesmo ideias de suicídio são algumas das consequências da exclusão em longo prazo. “Medir solidão é muito difícil. O momento atual é de transição. Não sabemos ainda como navegar nesse novo mundo da era digital, intensificado pela Pandemia da Covid-19. A tecnologia digital tem sido fundamental para que suportemos o isolamento e o distanciamento social e inclusive para que vidas sejam salvas emocional e fisicamente”, diz.

Leia também: Prejuízos da Covid-19 para a saúde mental dos trabalhadores

O que pode piorar o isolamento?

Ao analisar a crescente discussão sobre a solidão na sociedade atual, o consultor e escritor Celso Grecco, fundador da Atitude Pensamento Estratégico, realizou a pesquisa Projeto Solidão. “A pandemia aprofundou o mal-estar e trouxe à tona a preocupação com a solidão e seus efeitos, mas a verdade é que já existia uma epidemia de solidão em curso muito antes de entrarmos em isolamento social”, diz em entrevista para a Você RH.

Para que ele chegasse aos fatores que mais contribuem para alguém se sentir solitário, foram entrevistas mais de duas mil pessoas. O objetivo foi entender as causas desse sentimento e conscientizar para a importância de reconhecer o peso da solidão na vida dos brasileiros:

  1. Redes sociais: apesar de ser um local de encontro e identificação, também contribuem para o culto às conquistas individuais e à necessidade e sucesso a qualquer custo. Celso avalia que até mesmo serviços de streaming contribuem para o distanciamento, pois criam a ilusão de preenchimento do tempo e convidam ao recolhimento.
  2. Abandono: idosos, crianças e jovens são os mais afetados, graças à sobrecarga dos responsáveis pelos cuidados com outras tarefas. A hiperconexão dessas pessoas pode aumentar o risco de desconexão emocional, pois convida ao isolamento e dificulta as interações sociais.
  3. Insegurança: com um mundo cada vez mais frágil, ansioso, não linear e incompreensível, além das consequências da Covid-19, aumenta a sensação de estar desprotegido e de ter que se virar sozinho.
  4. Ansiedade de performar: ligado diretamente ao mito da produtividade, ao medo de errar e à supervalorização do sucesso e das realizações individuais. Isso acaba afetando mais os jovens, com 50% dos entrevistados de até 25 anos indicando que se cobram demais para realizar seus objetivos e acertar sempre.
  5. Relação com tempo e espaço: sensação de alerta constante, em que as pessoas passam a viver no automático em razão da velocidade da vida urbana, da imposição do imediatismo, de ter que fazer muitas coisas ao mesmo tempo e de precisar se adaptar rapidamente a tantas mudanças.
  6. Inadequação: envolve o sentimento de não pertencer, se sentir excluído ou não se ver representado, o que impede a criação de vínculos afetivos e de confiança. Isso vale para todos os espaços, de casa até o trabalho.
  7. Irrelevância: a pessoa sente que não faz diferença para a vida do outro, não tem com quem contar e, no âmbito profissional, que é apenas mais uma peça do negócio. Um sentimento gerado por relações superficiais, que geram sentimento de invisibilidade e insignificância.

O que fazer?

Primeiro, é preciso diferenciar a ideia de se sentir solitário com estar sozinho consigo mesmo. A solidão “saudável” pode ser uma boa fonte de criatividade pessoal e permite que o indivíduo mantenha contato consigo mesmo. Por isso, a psiquiatra Gilmara Bueno acredita que a solidão é “parte inexorável da nossa biologia”. Porém é preciso controlar essas doses para mantê-la em níveis saudáveis.

  • Mantenha contato com amigos e família: nesse momento de isolamento social, é preciso se manter próximo às pessoas que nos fazem bem. Por mais que o ócio tire a vontade de interagir, é necessário fazer esse esforço e conversar com as pessoas mais próximas.
  • Preencha o tempo: se engajar em atividades mentais, que precisam de concentração para serem concluídas, são uma das melhores formas para afastar a solidão. Aprender algo, desenvolver um hobby ou uma habilidade de longo prazo são apenas algumas das possibilidades para ter um objetivo em vista.
  • Procure ajuda profissional: psicólogos podem ajudar a enfrentar esse período de pandemia com mais tranquilidade. Eles lhe ajudarão a entender melhor suas emoções e a lidar com todas as incertezas do futuro.

Saúde mental dos trabalhadores

Tudo o que foi dito neste post também tem efeitos para os funcionários das empresas, exigindo um acompanhamento constante da área de Saúde e Segurança do Trabalho. Nesse sentido, a Ocupacional também preparou uma estrutura completa para auxiliar seus clientes a controlar os riscos da Covid-19.

A principal ação realizada nesse sentido é o plano de contingência, que avalia os riscos existentes e quais ações devem ser tomadas para minimizá-los. Ele é elaborado de acordo com cada as particularidades de cada negócio e da operação da empresa. Quer saber mais sobre esse assunto? Então entre em contato com a gente!

Categorias

Filtrar posts por data

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba no seu e-mail as novidades da Ocupacional e do mercado de medicina e engenharia de segurança do trabalho.