Novas obrigações legais para empresas: Prevenção e combate ao assédio e violência no trabalho

imagem-post

Introdução

Nos últimos anos, o tema do assédio sexual e outras formas de violência no ambiente de trabalho ganhou destaque na sociedade. Reconhecendo a importância de combater essas práticas e garantir um ambiente seguro para os colaboradores, foi promulgada a Lei 14.457, que estabelece medidas obrigatórias para empresas relacionadas à prevenção e ao combate ao assédio e violência. Neste artigo, discutiremos as principais disposições dessa lei e a importância de sua implementação para uma cultura organizacional saudável. Por se tratar de uma temática muito relevante, foi necessária uma atualização na CIPA.

O que é a Nova CIPA

A Nova CIPA é uma atualização da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que já existe em algumas empresas que se enquadram no quadro 01 da Norma Regulamentadora n°5, com o objetivo de promover a segurança e saúde dos trabalhadores. Com a atualização, a Nova CIPA agora inclui o combate ao assédio no ambiente de trabalho como uma de suas principais atribuições. Essa nova abordagem visa oferecer aos colaboradores um canal seguro para denunciar casos de assédio, bem como implementar medidas preventivas e corretivas para eliminar essa prática nociva no ambiente profissional.

Importância do combate ao assédio no ambiente de trabalho

O assédio no ambiente de trabalho pode assumir diferentes formas, como assédio moral, assédio sexual, discriminação e bullying. Essas condutas têm um impacto negativo significativo na vida dos trabalhadores, afetando sua saúde mental, autoestima, motivação e desempenho profissional. Além disso, o assédio também contribui para a criação de um ambiente de trabalho tóxico, onde a colaboração e a produtividade são prejudicadas.

Obrigações legais

De acordo com o artigo 23 da Lei 14.457, as empresas devem incluir em suas normas internas, como manuais, códigos de conduta e programas, regras de conduta referentes ao assédio sexual e outras formas de violência. Além disso, é essencial que essas normas sejam amplamente divulgadas entre os empregados e empregadas, garantindo que todos tenham conhecimento sobre os padrões de comportamento esperados no ambiente de trabalho.

Outra exigência importante é a criação de procedimentos para o recebimento e acompanhamento de denúncias. As empresas devem estabelecer mecanismos eficazes para investigar os fatos relacionados ao assédio e violência, garantindo o anonimato da pessoa denunciante, quando necessário. Caso sejam comprovadas infrações, devem ser aplicadas sanções administrativas aos responsáveis diretos e indiretos.

A reformulação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é uma das mudanças trazidas pela Lei 14.457. Agora, a CIPA deve incluir em suas atividades e práticas temas relacionados à prevenção e combate ao assédio e outras formas de violência. Essa alteração ressalta a importância de uma atuação mais abrangente da CIPA, contribuindo para um ambiente de trabalho seguro e saudável.

Além disso, a lei também estabelece a realização periódica de ações de capacitação, orientação e sensibilização dos colaboradores em todos os níveis hierárquicos. Essas iniciativas devem abordar temas como violência, assédio, equidade e diversidade, visando promover uma cultura organizacional que valorize o respeito, a igualdade e a inclusão. É fundamental que essas ações sejam desenvolvidas em formatos acessíveis e tenham um impacto real na cultura e nas condutas dos colaboradores.

Vale ressaltar que a Lei 14.457, no que tange a nova CIPA, se aplica apenas às empresas que se enquadram no quadro 01 da NR-05 como obrigatórias de manter a comissão em operação, o que não impede das demais empresas que não se enquadram a possuir a CIPA de também se adequarem aos requisitos legais da Lei, mesmo que não obrigatórios.

Medidas complementares

É importante ressaltar que as medidas elencadas pela Lei 14.457 são obrigatórias, porém, não exclusivas. As empresas têm o poder de adotar outras iniciativas que considerem necessárias para a prevenção e o combate ao assédio sexual e outras formas de violência no ambiente de trabalho. Essas medidas podem incluir a criação de canais de denúncia adicionais, a promoção de treinamentos especializados ou qualquer outra ação que contribua para a construção de um ambiente seguro e respeitoso.

A Lei 14.457 trouxe importantes mudanças para as empresas no que diz respeito à prevenção e ao combate ao assédio sexual e outras formas de violência no ambiente de trabalho. Ao estabelecer obrigações legais claras, a lei reforça a responsabilidade das organizações em promover um ambiente seguro, onde todos os colaboradores possam trabalhar sem medo de sofrer qualquer tipo de violência.

A implementação dessas medidas não apenas cumpre com as exigências legais, mas também traz benefícios significativos para as empresas. Um ambiente de trabalho livre de assédio e violência promove a saúde mental e física dos colaboradores, reduzindo o estresse e aumentando a produtividade. Além disso, fortalece a imagem da empresa perante seus clientes, parceiros e a sociedade como um todo, demonstrando seu compromisso com a ética, a igualdade e o respeito.

Para cumprir as disposições da Lei 14.457, é essencial que as empresas desenvolvam um plano de ação abrangente, que englobe desde a revisão e atualização das normas internas até a implementação de canais de denúncia eficazes. A criação de programas de capacitação e sensibilização também desempenha um papel fundamental na conscientização dos colaboradores e na construção de uma cultura organizacional sólida, baseada no respeito mútuo.

Conclusão

É importante ressaltar que a luta contra o assédio e a violência no trabalho é uma responsabilidade coletiva. Todos os membros da organização, desde os líderes até os colaboradores de base, devem estar comprometidos em promover um ambiente seguro e acolhedor. É essencial que exista uma cultura de denúncia sem retaliação, onde todos se sintam encorajados a relatar qualquer forma de violência que presenciem ou sofram.

A Lei 14.457 é um marco importante na busca por ambientes de trabalho mais saudáveis e seguros. No entanto, é necessário um esforço contínuo por parte das empresas para garantir a efetiva implementação dessas medidas e o acompanhamento de sua eficácia. Somente assim será possível criar um ambiente de trabalho onde todos possam se desenvolver plenamente, livres de qualquer forma de assédio ou violência.

A promoção do respeito, da igualdade e da diversidade deve ser um compromisso constante das empresas, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. Ao adotar medidas além das exigências legais, as organizações têm a oportunidade de se destacar como agentes de transformação e de influenciar positivamente o cenário do mercado de trabalho como um todo. Juntos, podemos construir um futuro onde todos se sintam valorizados e protegidos no ambiente de trabalho.

Compartihe

Mais posts

This will close in 0 seconds

Quer falar com o Grupo Ocupacional?

Estamos aqui!

Clique abaixo no setor desejado: